Roberto de Lucena debate contaminação por chumbo em audiência pública na CDHM

 

A Comissão de Direitos Humanos e Minorias, por meio do requerimento do deputado federal Roberto de Lucena (PV-SP), voltará a discutir a situação dos trabalhadores contaminados por chumbo na cidade baiana de Santo Amaro da Purificação. Em conjunto com os membros da Comissão de Seguridade Social e Família, o parlamentar vai discutir a questão na próxima quarta-feira (27), às 14h, durante audiência pública que será realizada no Anexo II, Plenário 9, da Câmara dos Deputados.

De acordo com o deputado, a população da cidade vem sofrendo há 40 anos com as consequências da poluição e da contaminação pelo chumbo (Pb) e cádmio (Cd), em nível endêmico. Durante 33 anos de operação, a Companhia Brasileira de Chumbo (Cobrac), subsidiária da empresa francesa Penarroya Oxide S.A., contaminou o município do recôncavo baiano com um passivo ambiental de milhões de toneladas de rejeitos e cerca de 300 mil toneladas de escória (mistura de terra com alta concentração de chumbo).

“Os danos causados ao meio ambiente tiveram como consequência a contaminação da população santamarense, principalmente os ex-trabalhadores e moradores do entorno da fábrica, que passaram a conhecer o saturnismo, uma doença que afina os braços, paralisa as mãos, provoca dores agudas, causa impotência sexual nos homens e aborto e má formação fetal nas mulheres”, ressalta o deputado. Roberto de Lucena argumenta que o excesso de metais na água e no solo também provocou outras doenças. “Já foram identificados o câncer de pulmão, a anemia, lesões renais, hipertensão arterial, doenças cerebrovasculares e alterações psicomotoras”, lembra.

 

Gerações afetadas

“Os relatos e fotos que recebi são muito tristes. São adultos com graves doenças e muitas crianças que nasceram com deformidade. Vidas foram e estão sendo ceifadas pela contaminação e a população ainda experimenta o descaso e o abandono do poder público”, enfatiza.

Para o parlamentar, a audiência pública é da maior importância para que sejam oferecidos elementos que darão o norte a essas pessoas que representam a população contaminada do Recôncavo Baiano. Segundo estudos da Universidade Federal da Bahia, a cidade é a mais poluída do mundo pela incidência do metal, vazado depois de 30 anos de operação na cidade, de 1960 a 1993, da Companhia Brasileira de Chumbo (Cobrac), subsidiária da empresa francesa Penarroya Oxide.

Autor do pedido para a realização da audiência pública na Câmara dos Deputados, Roberto de Lucena espera que o debate chame atenção para o drama vivido por Santo Amaro. “É preciso dar voz a essas pessoas. Por isso, essa audiência”, conclui.

São esperados para a audiência representante da Procuradoria Geral de Santo Amaro; os senadores Walter Pinheiro e Paulo Paim; o presidente da Associação das Vítimas da Contaminação por Chumbo, Cádmio, e outros elementos químicos (AVICCA), Adaílson Pereira Moura; representantes do Ministério do Meio Ambiente; da Saúde; de Emprego e Renda; e o advogado representante das vítimas Itanor Neves Carneiro Júnior.

 

Foto: Leopoldo Silva/Carta Capital

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Receba nossas Informações