Roberto de Lucena declara apoio às reivindicações dos trabalhadores – fim do fator previdenciário / correção da tabela do IR / jornada de 40 horas semanais

Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, as centrais sindicais do Brasil e a União Geral dos Trabalhadores, a UGT, da qual sou Vice-Presidente, promovem hoje o Dia Nacional de Mobilização para reivindicar o fim do fator previdenciário, a imediata correção da tabela do Imposto de Renda e a jornada de trabalho de 40 horas semanais, entre outros temas importantes, elencados em uma agenda comum a todas as centrais e que, neste momento, fazem parte da luta conjunta da classe trabalhadora brasileira.
Eu apoio essa luta justa dos sindicatos em defesa dos interesses da classe trabalhadora. A verdade, Sr. Presidente, é que o fator previdenciário acabou se tornando um meio de negação e subtração de direitos. Hoje, ele representa o arrocho das aposentadorias – reduz em 40% ou mais o valor dos benefícios. É uma injustiça contra o trabalhador que contribui durante toda vida produtiva e tem negado o direito a uma aposentadoria justa.
Convém pontuar, convém aqui considerar que não é, absolutamente, uma discussão simples, não se trata apenas e tão somente da eliminação do fator previdenciário, é necessária a construção de um diálogo, de uma alternativa para manter o equilíbrio das contas públicas, especialmente no que diz respeito à Previdência. Contudo, nós temos que dizer “não” ao modelo atual, que é predador, injusto, fere a classe trabalhadora.
Nós precisamos conciliar a racionalidade nas contas públicas com a defesa sólida e implacável dos direitos trabalhistas. É um desafio que nós propomos, junto com as centrais sindicais, em nome de um Brasil mais digno e justo.
Sr. Presidente, tema de enorme importância, do qual precisamos tratar com a máxima urgência, é a correção da tabela do Imposto de Renda. A classe trabalhadora, principalmente, está amargando perdas enormes, importantes, significativas em decorrência da não correção da referida tabela.
Era o que eu tinha a dizer.
Que Deus abençoe o Brasil!
PRONUNCIAMENTO ENCAMINHADO PELO ORADOR

Sr. Presidente, Sras. Deputadas, Srs. Deputados, as centrais sindicais do Brasil, incluindo a União Geral dos Trabalhadores, a UGT, da qual sou Vice-Presidente, promovem hoje o Dia Nacional de Mobilização para reivindicar o fim do fator previdenciário e a imediata correção da tabela do Imposto de Renda.
Eu apoio essa luta justa dos sindicatos em defesa dos interesses da classe trabalhadora. A verdade é que o fator previdenciário surgiu como um instrumento de racionalização do uso do dinheiro público na rede de proteção previdenciária, mas acabou se tornando um meio de negação e subtração de direitos.
Hoje ele representa o arrocho das aposentadorias, porque reduz em 40% ou mais o valor dos benefícios. É uma injustiça contra o trabalhador que contribui durante toda a vida produtiva e tem o direito a uma aposentadoria justa negado.
A fórmula matemática utilizada para calcular o fator previdenciário serve apenas para atrasar a concessão de aposentadorias e reduzir o valor do benefício de quem se aposenta por tempo de contribuição antes de atingir 65 anos de idade, homens, e 60 anos, mulheres.
Nós precisamos conciliar a racionalidade nas contas públicas com a defesa sólida e implacável dos direitos trabalhistas. É um desafio que nós propomos, junto com as centrais sindicais, em nome de um Brasil mais digno e justo.
Era o que eu tinha a dizer, Sr. Presidente.
Que Deus abençoe o Brasil!

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Receba nossas Informações