Deputados cristãos discutem com Embaixador Iraniano o caso Nadarkhani


O embaixador do Irã no Brasil, Dr. Mohsen Shaterzadeh, recebeu na terça-feira, dia 25.10, membros das Frentes Parlamentares Evangélica, Católica e da Família. O deputado Roberto de Lucena, em missão oficial nos Estados Unidos, não pôde comparecer e foi representado pela chefe de seu gabinete, a advogada Damares Alves, que também é secretária nacional do Fórum Evangélico Nacional de Ação Social e Política (Fenasp). Também estiveram presentes os deputados federais João campos (PSDB/GO), presidente da Frente Evangélica, Leonardo Quintão (PMDB/MG), Paulo Freire (PR/SP), Marcelo Aguiar (PSC/SP), Audifax (PSB/ES) e Valdir Colatto (PMDB/SC), presidente da Frente Parlamentar Brasil-Irã.
O encontro foi intermediado pelo Ministério das Relações Exteriores a pedido dos congressistas que investigam as denúncias de violação dos Direitos Humanos e perseguição religiosa, no caso do pastor iraniano Yousef Nardakhani. O representante da República Islâmica do Irã no Brasil, o Embaixador Mohsen revelou-se receptivo e interessado em esclarecer toda a situação.

O caso ganhou grande repercussão internacional através das mídias sociais, diversos sites e portais cristãos, que noticiaram o suposto julgamento e condenação à morte pelo fato de Yousef ter se convertido à fé cristã, o que pela lei iraniana (Sharia) é crime capital.

Apesar do que foi amplamente noticiado, o embaixador Shaterzadeh esclareceu aos presentes, após ser arguido pelo deputado João Campos, que “a questão não é religiosa”. O pastor estaria sendo acusado de promover a prostituição, fato este desconhecido até então, o que surpreendeu todos. Segundo o próprio embaixador, Youcef não seria nem mesmo reconhecido por outras autoridades religiosas cristãs no Irã como pastor. A prática da prostituição é proibida e passível de execução, segundo as leis iranianas.

Dr. Mohsen defendeu ainda a autonomia do Poder Judiciário de seu País e lembrou os milênios de existência do Irã e “de sua importância histórica como berço da civilização e da primazia na elaboração de leis que protegem os direitos humanos”. Enfatizou ainda que as igrejas e instituições cristãs atuantes no país, mesmo sendo minoria, possuem liberdade de ação.

O Embaixador também informou que uma delegação de parlamentares iranianos estará no Brasil nos dia 8 e 9 de novembro e manifestou o desejo de que os representantes dos parlamentos dos dois países se encontrem. Ele estendeu o convite aos parlamentares brasileiros para que visitassem o Irã, reiterando as boas relações mantidas por seus governos.
João Campos, em nome da comitiva e representando 76 deputados federais e três senadores da República, fez questão de entregar o documento subscrito ao Embaixador pedindo providências na apuração do caso, e rememorando a manutenção dos Direitos Civis e Humanos que devem ser respeitados em todo o planeta.

Confira abaixo o teor do documento:

“Nesta oportunidade, unimos nossas vozes às reiteradas manifestações da comunidade internacional, no sentido de apelar pela vida e reversão da condenação imposta ao Sr. Youcef Nardakhani, tendo em vista que sua eventual execução à morte, por motivos de convicção religiosa, além de injusta, contrariará diversos tratados e convenções internacionais de direitos humanos firmados pela República Islâmica do Irã, bem como a própria Constituição dessa Nação, que preceitua a liberdade de crença. Senhor Embaixador, confiando no seu acendrado espírito de justiça e humanitário, e com base nos sólidos laços de amizade que unem nossos povos, vimos, respeitosamente, solicitar a Vossa Excelência seja providenciado o encaminhamento deste apelo às autoridades iranianas competentes”.

 

Assessoria com Cynthia Ferreira

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Receba nossas Informações