Para deputado, não há conflito religioso na Comissão de Direitos Humanos e Minorias

Parlamentar considera que as oposições ao deputado Marco Feliciano não têm relação com o fato de ele ser pastor evangélico

 

Membro suplente da Comissão de Direitos Humanos, indicado pelo Partido Verde, o deputado federal Roberto de Lucena (PV-SP) destacou a importância da Comissão de Direitos Humanos para a sociedade brasileira e afirmou que a resistência ao nome do pastor Marco Feliciano não tem relação com o fato de ele ser pastor ou de ser evangélico, mas de posições que já foram esclarecidas.

“Quero dizer, com muito cuidado, do meu temor de alguns discursos que deram a entender que temos um conflito religioso, o que não é verdade. A Comissão de Direitos Humanos, assim como o Congresso Nacional, se rege pelos princípios da laicidade, que regem o Estado Brasileiro”, disse Roberto de Lucena em pronunciamento feito na Câmara dos Deputados nesta quinta-feira (14/03).

O parlamentar, que também é pastor evangélico, disse ainda que espera que todas as dificuldades vistas na Comissão de Direitos Humanos sejam superadas: “Que a normalidade volte a imperar e a paz se estabeleça nessa Comissão tão importante para o Brasil”.

 

Confira o vídeo do pronunciamento do deputado Roberto de Lucena: http://www.youtube.com/watch?v=lZ_qs3kp6Ys&feature=youtu.be

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Receba nossas Informações