Deputado parabeniza os professores e pede mais atenção governamental às reivindicações dos docentes

Sr. Presidente, Deputado Inocêncio Oliveira; Sras. e Srs. Parlamentares, no dia de ontem, 15 de outubro, em todo o Brasil, tivemos a imensa alegria de comemorar o Dia do Professor.
Venho a esta tribuna manifestar o meu carinho, o meu respeito e a minha gratidão a todos os professores deste País, que, além de transmitirem conhecimentos e experiências, cumprem um importantíssimo papel social, porque ensinam, desde a tenra infância, o dom da convivência.
Em 15 de outubro de 1827, D. Pedro I decretou que toda vila, cidade ou lugarejo do Brasil criasse as primeiras escolas primárias, as chamadas Escolas das Primeiras Letras. Mas foi em 1947 que nasceu, em nosso querido Estado de São Paulo, a partir de ideia do Prof. Salomão Becker, que lecionava em uma pequena escola da Rua Augusta, a proposta de discutir, em um encontro anual, com a presença dos pais dos alunos, os problemas da profissão. Tal iniciativa foi fruto de uma prática costumeira de confraternização entre professores e alunos que ocorria todo dia 15 de outubro em sua cidade natal, Piracicaba. O sucesso dessa reunião se espalhou por outros Estados, e a data se tornou emblemática no País. Em 14 de outubro de 1963, um decreto federal definiu o feriado que enaltece a função do mestre.
Sr. Presidente, sou Vice-Presidente da União Geral dos Trabalhadores – UGT e, nesse sentido, não somente como membro deste Parlamento, mas também como dirigente sindical e representante dessa que é a terceira maior central sindical do País, apelo para que estejamos sempre atentos não só às reivindicações salariais dos professores, mas igualmente às necessidades de melhores condições de trabalho dessa classe, a fim de que possamos ter impactos cada vez mais positivos na qualidade de ensino. Sem respeito ao trabalho do professor, ao trabalho do aluno – estudar também é um trabalho -, não construiremos a digna nação que o Brasil merece, e de nada adiantará ser a sexta ou quinta economia do mundo, porque, sem educação de excelente qualidade, nossa conquista não tem como se sustentar-se.
O Plano Nacional de Educação, já aprovado nesta Casa, com avanços e pontos de discussão, e que agora tramita no Senado, promete mais transparência no acompanhamento das metas propostas em prol da melhoria do ensino. O Plano trouxe importantes argumentos em relação à jornada de trabalho dos professores, à remuneração e à formação adequada dos mestres e precisa ter sua discussão e aprovação agilizadas. Precisamos dar essa resposta aos cidadãos brasileiros.
Sr. Presidente, são os nossos pais e, depois, os nossos professores os mestres que nos apresentam o som das primeiras notas musicais da vida, semeiam em nós a vontade de tocar a nossa própria música, de acreditar em nossos talentos. E o que é construído com amor e verdade, Sr. Presidente, dura para sempre. Assim, é com emoção que me recordo das minhas primeiras professoras e de todos os meus professores em Santa Isabel, cidade da Região Metropolitana de São Paulo. Nasci em Santa Isabel e lá vivi minha infância, adolescência e juventude. Minhas primeiras professoras foram a D. Sizuku e a D. Lazara, em minha primeira série, na Escola Major Guilhermino Mendes de Andrade. Recordo-me bem, 1º ano A e 1º ano F, e depois, nos anos subsequentes, passei pelas Escolas Profa. Gabriela Freire Lobo e Maria dos Santos Bairão. Quão bendita a influência que elas, bem como os Profs. Vicente, Zé Macota, Edmundo, Maria de Lourdes, Enezila, Benedicta, e outros, que pela exiguidade de tempo nesta tribuna não conseguirei nominar, exerceram sobre mim. Eles muito contribuíram, de forma positiva, para a minha formação e a de grande parte do povo isabelense. Marcaram nossas almas com muitas lições.
Então, é com base nesse meu passado, com toda a admiração que tenho pelas professoras e professores de Santa Isabel, que parabenizo a todas e a todos os professores do meu Estado de São Paulo e do Brasil, e os homenageio em nome da professora, pastora e assistente social Bernadete Aparecida Ramos de Lucena.
Em qualquer tempo, são esses profissionais, meus nobres pares, que têm o imenso desafio e o gratificante prazer de passar grande parte dos seus dias com o futuro do Brasil.
Que Deus abençoe todas as professoras e todos os professores!
Que Deus abençoe o Brasil!
Era o que eu tinha a dizer.
Muito obrigado, Sr. Presidente, Sras. e Srs. Parlamentares.

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Receba nossas Informações