fbpx
27/06/2019

Roberto de Lucena recebeu primeiro ministro Israelense com grupo de “amigos de Israel”

Em sua passagem histórica pelo Brasil, o primeiro ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, se reuniu com o deputado federal Roberto de Lucena e um grupo de líderes brasileiros considerados “amigos de Israel”. Eles trataram de parcerias e do novo momento que se iniciou entre Israel e Brasil após a eleição de Jair Bolsonaro.

Roberto de Lucena foi uma das vozes ativas na defesa de Israel no Congresso Nacional – sempre salientando que Israel é a única democracia do Oriente Médio –, e chegou a redigir, no ano passado, uma carta ao então presidente Michel Temer solicitando que o Brasil reconhecesse Jerusalém como capital de Israel por meio da mudança de embaixada.

“É a primeira vez que um primeiro ministro de Israel foi convidado e veio ao Brasil, ou seja, foi uma passagem histórica. Na condição de parlamentar que sempre defendeu uma aproximação maior com Israel, fiquei imensamente feliz com a vinda de Benjamin Netanyahu, é o sinal de uma nova era que se inicia entre Israel e Brasil”, comentou Lucena.

Em reconhecimento à suas contribuições ao bom relacionamento entre as duas nações, o deputado Roberto de Lucena foi convidado pelo embaixador de Israel, Yossi Shelley, integrar um grupo seleto que teve um encontro com o primeiro ministro de Israel.

“Foi um encontro inesquecível, memorável, com um líder forte de uma democracia central para o mundo. Benjamin Netanyahu é um primeiro ministro de personalidade, tem sua liderança consolidada em Israel e no mundo. Não é exagero dizer que as principais decisões políticas do mundo passam por Israel. Hoje temos muita satisfação em ver essa aproximação entre Brasil e Israel, que proporcionará muitos frutos para ambos os países”, destacou.

Novo momento Roberto de Lucena foi o primeiro deputado brasileiro a apresentar uma indicação ao governo federal solicitando a mudança de embaixada do Brasil, de Tel Aviv para Jerusalém, desta maneira, reconhecendo a capital escolhida pelos israelenses.

“Também fiz uma carta pessoal ao presidente Temer. Mas, infelizmente, em um ano eleitoral não foi um tema prioritário para o governo. O Brasil reconhece Israel como estado desde Oswaldo Aranha. E, se o fazemos, não podemos interferir na decisão daquele Estado soberano em ter Jerusalém como a sua capital”, argumentou Roberto de Lucena.

O deputado explicou que sua defesa de Israel se dá pela sua relevância geopolítica e também por questões de foro íntimo. Não dá para falar de paz global sem tratar do tema do Oriente Médio e de Israel, todas as decisões políticas globais importantes passam por Israel, é o centro do mundo, algo impressionante”, disse.

“Além disso, Israel é a segunda pátria de todos os cristãos. Não sou um deputado evangélico, mas sou um evangélico que estou deputado. Temos vínculos espirituais e afetivos com Israel. Defender Israel é defender nossas origens”, completou. Roberto de Lucena enfatizou, ainda, que a cooperação econômica, política e estratégica entre Brasil e Israel já mudaram significativamente desde que Jair Bolsonaro assumiu a presidência. Ele acredita que um novo capítulo de amizade se iniciou.

“Nós vemos um novo momento entre Brasil e Israel. Nesses 71 anos, desde a fundação do Estado Judeu, nenhum primeiro ministro do Estado de Israel havia vindo ao Brasil. A vinda do primeiro-ministro marca a inauguração de uma nova fase nas relações entre os dois países, e esta é uma vontade do presidente Jair Bolsonaro”, finalizou.

Fonte: Diário de Arujá