fbpx

Roberto de Lucena critica silêncio do Brasil sobre cristãos perseguidos: “Nos ofende”

Na quarta-feira da última semana, 25 de junho, o deputado federal Roberto de Lucena subiu à tribuna do plenário, na Câmara Federal para reforçar duas questões que ele acredita terem grande importância nas relações exteriores do Brasil: a transferência da embaixada brasileira em Israel para Jerusalém e também uma atitude mais rígida do governo brasileiro com relação aos cristãos que sofrem com a intolerância religiosa em outras nações.

Lucena, que também é pastor da Igreja O Brasil para Cristo, reforçou o seu destaqu à importância de transferir a embaixada brasileira para Jerusalém.

“Há 70 anos foi estabelecido o Estado de Israel e eu fui um dos autores que permitiu a essa casa realizar uma sessão solene que homenageou a Israel, uma democracia plena que destoa do seu entorno no Oriente Médio. Defendi naquela ocasião e defendo agora que o Brasil transfira a sua embaixada para Jerusalém, a exemplo do que já fizeram Estados Unidos e outros países”, disse.

“Recentemente tive a oportunidade de me manifestar aqui mesmo desta tribuna contra o ódio, contra a violência, seja de quem for e parta de quem partir, seja de cristãos, judeus ou de muçulmanos”, acrescentou.

Como uma extensão de seu discurso contra a violência e a intolerância, Lucena também pediu uma atitude mais drástica do governo brasileiro com relação à perseguição religiosa, que é uma realidade inquestionável em muitos dos países com os quais o Brasil mantém relações.

“Quero considerar uma das premissas das relações internacionais: a reciprocidade. E carrego a esperança de que o tratamento dado aos missionários cristãos em países governados pelo Islã seja o mesmo tratamento dado aos religiosos muçulmanos que atuam aqui no Brasil”, destacou.

“Os cristãos perseguidos e mortos pela sua fé em países governados pelo Islã são nossos irmãos e, nós cristãos, nos sentimos ofendidos pelo silêncio absoluto das autoridades que no Brasil representam esses países. Milhares de cristãos são mortos a cada ano e muitos deles da maneira mais cruel. Nunca vi uma nota sequer de pesar, de repúdio, nenhuma manifestação por parte dessas autoridades”, acrescentou.

Finalizando seu discurso, Lucena lembrou que a busca do povo brasileiro deve sempre se traduzir em orações por “menos ódio, menos violência e pela paz em Jerusalém, em Israel e no mundo”.

Fonte: Portal Guiame